/* Comments ----------------------------------------------- */ #comments h4 { margin:1em 0; font:bold 78%/1.6em "Trebuchet MS",Trebuchet,Arial,Verdana,Sans-serif; letter-spacing:.2em; color:#999; } #comments h4 strong { font-size:130%; } #comments-block { margin:1em 0 1.5em; line-height:1.6em; } #comments-block dt { margin:.5em 0; } #comments-block dd { margin:.25em 0 0; } #comments-block dd.comment-timestamp { margin:-.25em 0 2em; font:78%/1.4em "Trebuchet MS",Trebuchet,Arial,Verdana,Sans-serif; letter-spacing:.1em; } #comments-block dd p { margin:0 0 .75em; } .deleted-comment { font-style:italic; color:gray; }




p r o s e a r e s

perfil

sidnei olívio : Nascido em São José do Rio Preto, SP. Biólogo, exerce a função de Auxiliar Acadêmico do Departamento de Zoologia e Botânica do IBILCE-UNESP, desde 1985. Tem dois livros de poesias editados em co-autoria (“Zoopoesias”, 1999, Ed. Rio-pretense e “Poesia Animal”, 2003, Ed. Sterna) e um livro de contos editado em co-autoria (Mutações, 2002, Ed. Scortecci). Participou ainda em mais quinze livros de coletânea, sendo os principais Leituras de Brasil, 2001, Ed. da UNESP e Petali d'Infinito, Accademia Internazionale Il Convivio, Itália, 2002. Tem publicações em vários sites de literatura e em três e-books de poesia infantil e poesia minimalista. Recebeu vários prêmios em concursos, dentre eles, 4º lugar no Mapa Cultural Paulista 2000 (modalidade poesia), Accademia Internazionale Il Convívio, Itália, 2002 (Prêmio de Edição) e Prêmio Estímulo “Nelson Seixas”, em 2006, na categoria musical (cd “Palavras Cruzadas”).


valéria tarelho : natural de Santos/SP (1962), residente em São José dos Campos/SP, separou-se da advocacia devido a um caso com a poesia. Seus primeiros escritos datam de abril de 2002. Obras publicadas : prosa (em co-autoria) na antologia Com Licença da Palavra (Editora Scortecci, 2003); poemas na Antologia Brasileira de Poetas Contemporâneos , vols. 1 a 7, da Câmara Brasileira de Jovens Escritores, no Livro da Tribo 2004, 2005 e 2008 a 2011 (Editora da Tribo). Teve um poema selecionado para integrar o livro Panorama Literário Brasileiro 2004/2005 — As 100 Melhores Poesias de 2004 — Câmara Brasileira de Jovens Escritores. Participa, ainda, de diversas antologias, em formato e-book. Prêmios: 1º lugar na Mostra Joseense 2005 - categoria "contos" e 2º lugar na Mostra Joseense 2005 – categoria "poesias". Atua, como colaboradora, no portal valedoparaiba.com, seção de poesia e no site Escritoras Suicidas - www.escritorassuicidas.com.br


arquivo




outros ares




contato

proseares@gmail.com

"feed-se"


assine aqui

para receber atualizações por e-mail, preencha o campo abaixo:

seu e-mail:

entregue por FeedBurner


etc

Site Meter



Adicionar aos Favoritos BlogBlogs

Pingar o BlogBlogs




tamanho da fonte


para aumentar :
ctrl +

para dininuir :
ctrl -





terça-feira, 2 de março de 2010 @ 07:10
princesa na torre

"Era uma vez um palácio encantado

e uma princesa que o destino escravizou.

E um seresteiro que cantava na janela gostou dela
e foi assim que a história começou.

Os dois cantavam e viviam mil venturas,
mas um rei malvado os separou.

E a princesa ficou presa num castelo muito belo
e foi assim que a história terminou.

Seresteiro, eu também tive uma princesa que a crueza
de um rei malvado me levou.

E hoje, vivo cantando o nome dela,
triste lembrança que ficou.”

Vovó cantava isso para minha mãe, que cantava para mim. Diziam que vinha de gerações de mães e avós cantando.
Não sabia então que era um vaticínio, uma maldição: transformei - me na princesa encastelada.
O rei é um homem bom, mas não é o príncipe encantado.

Eu e o príncipe nos encontramos um dia. Inexoravelmente. Mas ele é o rei de outras paragens. Nos divertimos falando da Princesa na Torre. Não pode ser resgatada: já construiu uma vida dentro do castelo, que não pode deixar para trás. Então o Príncipe chega no fatídico cavalo branco. Tem mulher e filhos em seu reino distante, mas grita:

Rapunzel, jogue-me suas tranças!

Da sacada ela responde, aflita:

— Não! Espera, que eu vou descer!

Passam a tarde toda juntos, se amando. Finalmente encontraram-se e o verdadeiro amor é raro. Ele pede:

 — Vamos embora, vamos fugir!

Mas ela explica e ele entende: a princesa da torre tem que voltar para fazer o jantar, dar banho nas princesinhas, ver a lição de casa... Pode dar uma voltinha com o príncipe, mas tem que voltar. Afinal a torre não é nada sem ela!

— Espera as princesas crescerem, meu amado.

Então ele volta para seu reino distante, pois tem muitos dragões para matar.

— Me liga!

Que poético!


Flá Perez

post de Sidnei Olivio
Bookmark and Share





█║▌│█│║▌║││█║▌║▌║▌║
p r o s e a r e s
© sidnei olívio e valéria tarelho

:: todos os direitos reservados ::



proseares