/* Comments ----------------------------------------------- */ #comments h4 { margin:1em 0; font:bold 78%/1.6em "Trebuchet MS",Trebuchet,Arial,Verdana,Sans-serif; letter-spacing:.2em; color:#999; } #comments h4 strong { font-size:130%; } #comments-block { margin:1em 0 1.5em; line-height:1.6em; } #comments-block dt { margin:.5em 0; } #comments-block dd { margin:.25em 0 0; } #comments-block dd.comment-timestamp { margin:-.25em 0 2em; font:78%/1.4em "Trebuchet MS",Trebuchet,Arial,Verdana,Sans-serif; letter-spacing:.1em; } #comments-block dd p { margin:0 0 .75em; } .deleted-comment { font-style:italic; color:gray; }




p r o s e a r e s

perfil

sidnei olívio : Nascido em São José do Rio Preto, SP. Biólogo, exerce a função de Auxiliar Acadêmico do Departamento de Zoologia e Botânica do IBILCE-UNESP, desde 1985. Tem dois livros de poesias editados em co-autoria (“Zoopoesias”, 1999, Ed. Rio-pretense e “Poesia Animal”, 2003, Ed. Sterna) e um livro de contos editado em co-autoria (Mutações, 2002, Ed. Scortecci). Participou ainda em mais quinze livros de coletânea, sendo os principais Leituras de Brasil, 2001, Ed. da UNESP e Petali d'Infinito, Accademia Internazionale Il Convivio, Itália, 2002. Tem publicações em vários sites de literatura e em três e-books de poesia infantil e poesia minimalista. Recebeu vários prêmios em concursos, dentre eles, 4º lugar no Mapa Cultural Paulista 2000 (modalidade poesia), Accademia Internazionale Il Convívio, Itália, 2002 (Prêmio de Edição) e Prêmio Estímulo “Nelson Seixas”, em 2006, na categoria musical (cd “Palavras Cruzadas”).


valéria tarelho : natural de Santos/SP (1962), residente em São José dos Campos/SP, separou-se da advocacia devido a um caso com a poesia. Seus primeiros escritos datam de abril de 2002. Obras publicadas : prosa (em co-autoria) na antologia Com Licença da Palavra (Editora Scortecci, 2003); poemas na Antologia Brasileira de Poetas Contemporâneos , vols. 1 a 7, da Câmara Brasileira de Jovens Escritores, no Livro da Tribo 2004, 2005 e 2008 a 2011 (Editora da Tribo). Teve um poema selecionado para integrar o livro Panorama Literário Brasileiro 2004/2005 — As 100 Melhores Poesias de 2004 — Câmara Brasileira de Jovens Escritores. Participa, ainda, de diversas antologias, em formato e-book. Prêmios: 1º lugar na Mostra Joseense 2005 - categoria "contos" e 2º lugar na Mostra Joseense 2005 – categoria "poesias". Atua, como colaboradora, no portal valedoparaiba.com, seção de poesia e no site Escritoras Suicidas - www.escritorassuicidas.com.br


arquivo




outros ares




contato

proseares@gmail.com

"feed-se"


assine aqui

para receber atualizações por e-mail, preencha o campo abaixo:

seu e-mail:

entregue por FeedBurner


etc

Site Meter



Adicionar aos Favoritos BlogBlogs

Pingar o BlogBlogs




tamanho da fonte


para aumentar :
ctrl +

para dininuir :
ctrl -





quarta-feira, 17 de setembro de 2008 @ 15:20
um tanto quanto plástica

não, meu bem, hoje não tem poesia. poesia [essazinha] é pra quem tem peito e hoje acordei para a realidade: preciso - urgente - de uma prótese.

caiu a ficha, assim que notei as formas mínimas. poeminhas cheirando a leite [tão parecidos com os de menina que adolesce]. coisinha meio empinadinha, é certo, mas nada notável. nem um pouco proeminente. niente, nothing, rien, nichts, nada que atice o imaginário [hétero, homo, bi e todos os seus derivados]. a vantagem [no não avantajado] é que são naturais. e meus. tem voyer que não se incomoda. até gosta. os olhos gozam entre uma espiadela e outra nessa ausência de protuberância. carência, só pode. ou coisa indefinida, que nem aquele tal [o pai daquela palavra esquisita: psi qualquer coisa] se atreveria.

mas hoje não, meu bem. hoje acordei mulherzinha de tudo. vaidosa atéééé. cheia de pose. e possessa. querendo meter os peitos nesse mundão com fome de carne. ânsia de substância. mundo cão. carnívoro mundo homem. mas, cadê? assim, desprovida de tudo, me falta coragem ["coragem" é delicadeza, porque estou mulherzinha, repito - pensem aí em algo que macho diria e eu também, não fosse hoje].

poesia é para quem tem peito. desisto [hoje ao menos]. hoje encarei de frente o óbvio: esse estilo - agora - não me serve. aderi ao protótipo. hoje uso alguns mililitros extras [vês como o bojo fica preenchido? notas como transbordo?]. é tanta prótese que nem cabe na tua boca, neném. teus olhos, então, são poucos para este oceano siliconado [nem ouso mencionar o volume que te escapa das mãos. visualize, meu bebê. visualize].

hoje, benzinho, acordei sem peito para encarar até espelho três por quatro. vi-me démodé. nenhum modelo me caía bem. foi então que abri mão dos receios e implantei esta prosa [que em mim é tão artificial quanto os seios daquela uma - sim, essa aí e aqueloutra também].

ok, ok, sinto-me desconfortável. talvez pareça produto falsificado: made in pê quê pê city. mas hiper na moda. in, é mais chique [in é muito gay, mas também é coisa de femeazinha - li na vogue, na recepção, entre um medinho e outro] . o alívio: nada impede que eu amamente sua sede [li não sei onde. não, não foi na vogue, nem na cláudia, nem naquela outra [a da ilha da fantasia], mas é fonte segura. senti firmeza].

por hoje chega, baby. vou evitar exageros e parar por aqui. já está de bom tamanho, concorda? e temo que o novo "visú" [pausa para enxertar um look nessa falha minha]...

como dizia, temo que o novo look vicie teu olhar, habituado a despir meus poemas flácidos [já convicta de que minha prosa, para ser gostosa, precisa - para ontem - de uma lipo. no papo].


valéria tarelho

Marcadores:


post de valéria tarelho
Bookmark and Share





█║▌│█│║▌║││█║▌║▌║▌║
p r o s e a r e s
© sidnei olívio e valéria tarelho

:: todos os direitos reservados ::



proseares